quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

«Dizemos de modo vago que Shakespeare, ou Dante, ou Lucrécio é um poeta que pensa, e que Swinburne é um poeta que não pensa, mesmo que Tennyson é um poeta que não pensa. Todavia, o que queremos realmente afirmar não é uma diferença na qualidade do pensamento, mas uma diferença na qualidade da emoção. O poeta que "pensa" é, simplesmente, o poeta que é capaz de expressar o equivalente emocional do pensamento. Não está, contudo, necessariamente interessado no pensamento em si próprio. Falamos como se o pensamento fosse preciso e a emoção fosse vaga. Na realidade, há emoção precisa e há emoção vaga. Expressar emoção precisa exige capacidade intelectual tão grande como expressar pensamento preciso.»

T.S. Eliot, 'Shakespeare e o Estoicismo de Séneca' (trad. Maria Adelaide Ramos), Cotovia.

Sem comentários:

Enviar um comentário