segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Queimei os dedos todos na
volta de uma ou outra memória,
vasculhando num livro escuro
a voz que me prometera.
Já tu, que tanto disseste, não foste
sequer uma segunda educação.


O espelho da casa, de que levaste metade:
copiou-me todos os gestos, segredos.
Escrevo, tristeza e papel quadriculado.
Se levantar os olhos, terei
a sombra corcunda, as orelhas de burro:
nunca verás palácios nos sulcos da parede.
Vira a página, faz um verso igual ao outro.
Entende: não há cura para este consolo.

Sem comentários:

Enviar um comentário