quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

SCHUBERTIANA

I

Ao anoitecer, num lugar dos arredores de Nova Iorque, um miradoiro do qual com um só olhar é possível avistar as casas de oito milhões de pessoas.
De longe, vista assim de lado, a megacidade é um cintilante montão de edifícios, uma galáxia em espiral.
Dentro dela põem-se cafés nos balcões, montras mendigam a transeuntes, miríades de pares de sapatos não deixam o menor rasto.
Íngremes escadas de salvação, ascensores em permanente função, atrás de portas com fechaduras de alta segurança, um marulhar constante de vozes.
Corpos prostrados meio adormecidos nas carruagens do metro, essas catacumbas itinerantes.
Também sei - sem base em dados - que neste mesmo instante se toca Schubert, algures num quarto ao longe, e que para alguém essas notas são mais reais do que qualquer outra coisa.


Tomas Tranströmer
in 50 Poemas (Relógio d´Água).

Sem comentários:

Enviar um comentário