domingo, 7 de julho de 2013

THE DAY LADY DIED

It is 12:20 in New York a Friday
three days after Bastille day, yes
it is 1959 and I go get a shoeshine
because I will get off the 4:19 in Easthampton   
at 7:15 and then go straight to dinner
and I don’t know the people who will feed me


I walk up the muggy street beginning to sun   
and have a hamburger and a malted and buy
an ugly NEW WORLD WRITING to see what the poets   
in Ghana are doing these days

                             I go on to the bank
and Miss Stillwagon (first name Linda I once heard)   
doesn’t even look up my balance for once in her life   
and in the GOLDEN GRIFFIN I get a little Verlaine   
for Patsy with drawings by Bonnard although I do   
think of Hesiod, trans. Richmond Lattimore or   
Brendan Behan’s new play or Le Balcon or Les Nègres
of Genet, but I don’t, I stick with Verlaine
after practically going to sleep with quandariness


and for Mike I just stroll into the PARK LANE
Liquor Store and ask for a bottle of Strega and   
then I go back where I came from to 6th Avenue   
and the tobacconist in the Ziegfeld Theatre and   
casually ask for a carton of Gauloises and a carton
of Picayunes, and a NEW YORK POST with her face on it

and I am sweating a lot by now and thinking of
leaning on the john door in the 5 SPOT
while she whispered a song along the keyboard
to Mal Waldron and everyone and I stopped breathing
 
*
 
THE DAY LADY DIED
 
São 12:20 em Nova Iorque uma sexta-feira
três dias depois do dia da Bastilha, sim
é 1959 e vou engraxar os sapatos
porque sairei do das 4:19 em Easthampton
às 7:15 e depois vou direito ao jantar
e nem conheço as pessoas que me convidaram
 
caminho pela rua sufocante onde o sol começa a aparecer
e como um hamburguer e um malte e compro
um feio NEW WORLD WRITING para ver o que os poetas
do Gana escrevem por estes dias
                               entro no banco
e Miss Stillwagon (nome próprio Linda ouvi dizer)
nem sequer olha para o meu saldo por uma vez na vida
e no GOLDEN GRIFFIN compro um pequeno Verlaine
para Patsy com desenhos de Bonnard embora hesite
quanto ao Hesíodo, trad. Richmond Lattimore ou
a nova peça de Brendan Behan ou Le Balcon ou Les Nègres
de Genet, mas não, permaneço com Verlaine
depois de quase adormecer de embaraço
 
e para Mike limito-me a passar pela Loja de Bebidas
de PARK LANE e compro uma garrafa de Strega e
então regresso por onde vim para a 6ª Avenida
e a tabacaria no Ziegfield Theatre e
distraidamente peço um maço de Gauloises e um maço
de Picayunes, e um NEW YORK POST que traz a cara dela
 
e agora já estou a suar muito e pensando em
encostar-me à porta da retrete do 5 SPOT
enquanto ela sussurrava uma canção ao correr do teclado
para Mal Waldron e eu e todos deixámos de respirar

Frank O'Hara
in Vinte e Cinco Poemas à Hora do Almoço (José Alberto Oliveira trad.), Relógio D'Água

Sem comentários:

Enviar um comentário