sexta-feira, 26 de julho de 2013

O ATALANTE - JEAN VIGO (1934)




No dia em que fomos ver O Atalante
eu levava, por coincidência, um cubo de gelo
no bolso do casaco. Lembro-me de tremer
um pouco. Até aí, tudo bem. Pior,
foi quando te ouvi pronunciar, distintamente:
quem procura o seu amor debaixo de água,
acaba constipado.
Na altura, ri-me: pensei que falavas do filme.
Sou tão estúpido.


José Miguel Silva
in Movimentos no Escuro, Relógio D'Água

Sem comentários:

Enviar um comentário