domingo, 30 de junho de 2013

O MENOS POSSÍVEL


O MENOS POSSÍVEL

Respirar
o menos possível
nestas cidades
de uma tristeza
sem idade
abrindo o espaço
com os gestos lentos de um náufrago
a caminho
do fundo

A noite sobe-me
na voz
como um lugar
capaz de imaginar
sozinho
o seu cenário
onde o azul
dorme
numa cave
com os cães


DIA DA LIBERDADE

Toda a noite os sapatos azuis
de um livro de viagens muito antigo
dançaram nas lamas rendidas
às sedas da chuva

Agora o dia protege-se com palha loira
do hálito do pensamento
confiante como um profeta
à espera da hora marcada

Se resistir às nuvens
de moscas sem espírito
talvez a estrela dos desejos
ao alcance das mãos

Lhe dê acesso
à força do vento
num ilhéu de fogo
cercado de águas surdas


Ernesto Sampaio
in Feriados Nacionais, Fenda

Sem comentários:

Enviar um comentário