terça-feira, 25 de junho de 2013

ESCADA DE SALVAÇÃO


Madrugada madrugada,
não tem importância.
Saguões torcidos por caracóis de ferro.
As criaditas e a enfermeira que mora num r/c vinham ali
tarde mostrar cintos de ligas. Perdida
na autoestrada, amor no restolho. Às cinco sonhava-se
sortido imperial com aroma ou torradas e chá.
Algumas moedas para gastar o adolescente
nos matrecos e na máquina do suicídio.
Pulseiras de latão, que os ciganos transaccionam.
Depressa depressa, antes que o mar acabe.

Paulo da Costa Domingos
in Carmina, Antígona.

Sem comentários:

Enviar um comentário